Alessandra Krauss Zalaf

Alessandra Zalaf

A autogestão vocal é saber administrar a própria voz, ter conhecimento da suas potencialidades e de seus limites. Para manter a voz saudável devemos saber controlar o ‘saldo vocal’ para não pagarmos 'juros' demais, como na conta do banco!

Quando era pequena, em Limeira-SP, ia com minha avó levar meu irmão às sessões de fonoaudiologia e achava muito legal perceber a evolução de fala dele. Este foi meu primeiro contato com a profissão!

Na mesma época, também me aproximava das artes, fazia balé, jazz e teatro na escola. Um pouco mais tarde, no colégio, como uma brincadeira entre os amigos, imitava os esquetes de programas humorísticos da tv, grupos musicais famosos, além da insistente mania de cantar em todos os momentos... Para os que me apontavam como desafinada ou coisa parecida, respondia com humor que minha “voz versátil” e que minha “astúcia artística” eram incompreendidas.

Várias histórias passaram, assim como os anos e, em 1990, já em São Paulo, ingressava no Curso de Fonoaudiologia. Durante a faculdade eu tinha muitas dúvidas, mas apenas uma certeza: adorava trabalhar com a voz humana!!

Em 1996 entrei no curso de pós-graduação em “Voz e Comunicação” no Hospital das Clínicas, aprimorei meus conhecimentos e decidi abrir meu consultório.

Nos anos seguintes direcionei meus estudos para a ‘arte de falar’ e o teatro começou a fazer parte da minha vida profissional. Foi em um grupo de estudos sobre voz no teatro que conheci Viviane Barrichelo e Frederico Santiago (nosso sempre querido parceiro - Vocalis).

Em 2000, juntamente com Viviane, realizamos o preparo vocal de três peças de Machado de Assis sobre a direção de José Roberto Rosa. Naquele ano iniciei minhas atividades como professora de Expressão Vocal na Escola Ewerton de Castro. A partir daí as portas do teatro estavam abertas e em 2001 fui arrebatada pelas Bacantes do Teatro Oficina, uma experiência transformadora e riquíssima! Vivenciei in-ten-sa-men-te o teatro, ou melhor, o teat(r)o. Ali, a música ficou ainda mais presente em minha vida com a saga-musical Os Sertões, novamente sobre a batuta do Zé Celso culminando em cinco espetáculos diferentes (A Terra, O Homem 1 e 2 e A luta 1 e 2). Maravilhoso.

Em 2003, Frederico, Viviane e eu juntamos nossas forças e decidimos formar a Equipe Vocalis. Realizamos vários trabalhos e ao final de 2008 a equipe passou por reformulação e juntamos nossas experiências à de Sabrina Cukier Blaj, também fonoaudióloga e parceira da Viviane em outras empreitadas.

Hoje, após algumas escolas de teatro, várias aulas, cursos, palestras, treinamentos, oficinas e preparos vocais, continuo contribuindo na formação vocal de atores na Faculdade Paulista de Artes e na Escola de Atores Wolf Maya. Além de realizar treinamentos de Expressão vocal- comunicação verbal para a companhia do Metrô em parceria com a ABPA.

Formação:

  • Graduação em Fonoaudiologia - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo/ SP (1991 – 1995).
  • Aprimoramento em Voz - Fonoaudiologia: Voz, Comunicação e Sociedade num contexto multiprofissional. Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo/ SP (1997).

Experiências profissionais:

  • Consultora e Instrutora de Treinamento em Voz e Comunicação pela Vocalis - Voz & Expressão (desde 2003).
  • Instrutora do treinamento: Solte o verbo nas apresentações em público. Parceria ABPA – Companhia do Metrô (2007 – 2009).
  • Docente e preparadora vocal:
    • Faculdade Paulista de Artes – disciplina Técnica Vocal (desde 2002).
    • Escola de Atores Wolf Maya – disciplina de Expressão Vocal (desde 2008).
    • Associação Ser em Cena – Grupo Teatro de Afásicos (2006 – 2007).
    • Escola de Teatro Ewerton de Castro – disciplina Expressão Vocal (2000 – 2004).
    • Oficina de Atores Nilton Travesso – disciplina Expressão Vocal (2003 – 2004).
  • Preparadora vocal das peças teatrais:
    • Homem- parte 1 e 2. Direção de José Celso Martinez Corrêa - Teatro Oficina (de 2003 – 2006).
    • Hoje é dia de Alan. Direção de Andréa Egydio – Escola de atores Nilton Travesso (2004).
    • A ópera do malandro, de Chico Buarque. Direção de André Latorre - Grupo de teatro da FPA (2004).
    • O rato no muro, de Hilda Hilst. Direção de André Latorre - Grupo de Teatro da FPA (2003).
    • Vidas Secas, de Graciliano Ramos. Adaptação e direção de Roberto Vignati - Gravação de CD (2002).
    • Ham-let, de William Shakespeare gravação DVD. Direção de José Celso Martinez Corrêa -Teatro Oficina (2001).
    • Bacantes, de Eurípedes- gravação DVD. Direção de José Celso Martinez Corrêa - Teatro Oficina (2001).
    • Um grito parado no ar, de Gianfrancesco Guarnieri. Direção de Moisés Miastkwosky - grupo Arte in Cena - Clube Paineiras do Morumby (2001).
    • Dom Casmurro, O Alienista e Memórias Póstumas de Brás Cubas. Direção de José Roberto Rosa - grupo RIA (2000). Entre outras.
  • Fonoaudióloga clínica (desde 1996).
  • Preparadora vocal de atores e cantores.